Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010

VIAGEM AO VELHO ENTRUDO

 

 
A Voz da Aldeia

João Garcia
(In "Jornal Expresso" de 21 de Fevereiro de 1998)
De quadras também vive o Entrudo da Amareleja. Situada na raia alentejana, pela vila passou, nos anos de guerra, muito contrabando. De Espanha também terão vindo as «danças» ou «estudantinas», manifestação semelhante às «murgas» andaluzes e às «brincas» de Évora.
Sob a direcção do mestre que conduziu os ensaios, e ao ritmo da concertina, o grupo, em regra composto por mais de uma dezena de elementos, percorre o povoado, detendo-se junto às tabernas ou à porta de algum morador que esteja pronto a recebê-lo e a oferecer o petisco.

O tocador de Acordeão é um elemento essencial das estudantinas da Amareleja
(Foto de: António Pedro Ferreira)

 
 
O Acordeão faz ouvir «uma música ritmada, de compassos binários, fácil de entrar no ouvido», na descrição de António Rações, um dos animadores e «mestre» do Entrudo local. Os versos, também «de má-língua», são escritos com grande antecedência e afinados em sucessivos ensaios, que ocupam as três a quatro semanas anteriores ao Carnaval.
Com os elementos da estudantina dispostos em roda, as quadras são cantadas em coro. «É a voz do povo.» Dois ou três elementos, mascarados, ocupam o centro e vão reproduzindo as situações que as quadras relatam. À volta, o coro - vestido a rigor, calça, colete e chapéu preto, faixa à cintura e lenço ao pescoço - responde com quadras que são o julgamento da moral popular.
Segundo Virginie Laffon, uma etnóloga francesa que viveu em Amareleja e estudou estas «danças» onde praticamente não se baila, cada mestre chega a ser responsável por duas estudantinas. «Uma para brincar», exibida na segunda-feira e composta de críticas à vida social, onde os adultérios são a principal fonte de inspiração, e uma outra, mais «séria», guardada para terça-feira gorda, de conteúdo político.
Embora as danças não sejam vedadas às mulheres, são sempre homens que representam, travestindo-se quando é caso disso. «Porquê não sei, mas não ficava bem, e por isso não o fazem, as mulheres criticarem outras mulheres», justifica António Rações. Os visados pelas críticas nunca são directamente identificados, mas a construção dos versos, mantidos sob rigoroso sigilo até à representação pública, raramente deixa margem para equívocos entre os locais.
José Branquinho evoca outros tempos, quando dizer versos podia custar mais do que discussões de rua. «Era quando as danças iam à censura do regedor e só eram ditas se ele estivesse de acordo.» Usavam-se, então, alguns truques. «Era rude, mas era fino. Num momento dizia-se bem, para logo deitar abaixo. Dizíamos que era uma na pá, outra no olho, ou uma na caixa e outra na racha.» Foi assim num ano em que os homens garantiam o sustento na construção de estradas: «Quando fomos para a estrada / com a picareta na mão / houve alguns que não puderam / levantá-la do chão... // Cansados pela fraqueza / onde irá isto chegar / a fome é que nos obriga / não a pudemos aguentar.»
Depois de uma época em que quase desapareceram, as estudantinas voltaram. A escola organiza «uma saída», quatro mestres garantem outras tantas. O pior é encontrar tocadores. Há quem saiba tocar a concertina, mas faltam os instrumentos que, por regra, são acompanhados por castanholas, ferrinhos e pandeiretas - estas últimas indispensáveis para recolher umas moedas entre a assistência.
Com a falta de tocadores, o David, 11 anos, franzino para a idade, não sabe que há-de «fazer à vida». Aprendeu a tocar de ouvido e já tem quatro danças apalavradas para este Carnaval. «O ano passado foram duas, e fiquei derreado, que a concertina pesa e é o dia todo.» Orgulhoso por ser tão procurado, quer mostrar que o corpo é pequeno mas resiste a tudo: «Já fui operado sete vezes, duas ao coração.»
A indiciar que vem de longe o Entrudo da Amareleja está o nome dado aos «entrouxados», que desde o início de Fevereiro começam a aparecer pela vila. São os «entremezes», designação herdada de uma modalidade de representação pré-vicentina, profana e de crítica de costumes.
(…)
Esta reportagem foi retirada daqui.
amarelejando às 08:00
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Guida a 16 de Fevereiro de 2010 às 21:15
Obrigada Cidália, por nos manteres sempre ligados à nossa Amareleja, mesmo estando longe dela. Ficamos à espera de fotografias dos mascarados de segunda-feira, para incentivar aqueles que não estavam aí, a participar e tornar a noite do ano que vem ainda mais divertida. Se precisares tenho uma fotografia de um Bispo, que andava um pouco "depravado"...Parabéns pelo teu trabalho.
De amarelejando a 16 de Fevereiro de 2010 às 21:27
Olá Guida
Eu é que agradeço o comentário. Manter os Amarelejenses que estão longe a par daquilo que se vai passando na "nossa" Amareleja é o principal objectivo deste espaço.
Quanto ao Bispo depravado podes enviar a foto... mas também com tanta freira jeitosa!!!!

Comentar post


» AUTORA DO CANTINHO

» SIGAM-ME

. 7 seguidores

»Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

»Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

»COMENTADORES DE SERVIÇO

Pois é QuinaComo eramos felizes nessa altura! Fora...
Olá Manuel É claro que não me importo, até agradeç...
Esqueci-me de me identificar: manuelfialho@gmail.c...
Viva!Como revi parte da minha infância neste texto...
Olá, eu gostaria que me pudessem dar uma ajudinha ...
... o título correcto do post seria " Não à extinç...
cidália, ao ler este pequeno texto que tu escrevei...
Esse pôr de sol, eu já vi!Há sessenta anos, ou mai...
É verdade Cidália a Amareleja também foi represent...
sem eu gostar de dizer estas coisas, mas não resis...

»O QUE JÁ ACONTECEU

» Dezembro 2011

» Outubro 2011

» Setembro 2011

» Agosto 2011

» Julho 2011

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

» Dezembro 2009

» Novembro 2009

» Outubro 2009

» Setembro 2009

» Agosto 2009

» Julho 2009

» Junho 2009

» Maio 2009

» Abril 2009

» Março 2009

» Fevereiro 2009

» Janeiro 2009

» Dezembro 2008

» Novembro 2008

» Outubro 2008

» Setembro 2008

» Agosto 2008

» Julho 2008

» Maio 2008

» Abril 2008

» Março 2008

» Fevereiro 2008

» Março 2007

» Fevereiro 2007

» Novembro 2006

» Agosto 2006

» Julho 2006

» Maio 2006

»O QUE JÁ ACONTECEU

» Dezembro 2011

» Outubro 2011

» Setembro 2011

» Agosto 2011

» Julho 2011

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

» Dezembro 2009

» Novembro 2009

» Outubro 2009

» Setembro 2009

» Agosto 2009

» Julho 2009

» Junho 2009

» Maio 2009

» Abril 2009

» Março 2009

» Fevereiro 2009

» Janeiro 2009

» Dezembro 2008

» Novembro 2008

» Outubro 2008

» Setembro 2008

» Agosto 2008

» Julho 2008

» Maio 2008

» Abril 2008

» Março 2008

» Fevereiro 2008

» Março 2007

» Fevereiro 2007

» Novembro 2006

» Agosto 2006

» Julho 2006

» Maio 2006

Cidalia Guerreiro

Cria o teu cartão de visita

»OS RETRATOS

»PROCURAR

»EM LINHA

online

»POR ESSE MUNDO FORA

free counters

»DESDE ABRIL DE 2009

Web Counters
Dating Charleston